Conservação das palhetas garante segurança ao motorista

By 7 de fevereiro de 2019Dicas

Talvez você já tenha tido o azar de encontrar um carro com o para-brisa riscado. Se teve, deve ter notado que os riscos foram provavelmente causados pelas palhetas, provavelmente ressecadas. Ou pelas sujeiras que elas continham quando foram indevidamente acionadas. O caso é que cuidar bem destes itens não preserva apenas uma boa visão sob chuva, mas também garante que o para-brisa estará sempre como saiu de fábrica. E isso é fundamental para que você tenha a melhor visão possível das vias em qualquer condição de tempo. Percebeu a importância de cuidar bem das palhetas?

Tipos

As palhetas são basicamente de dois tipos: as convencionais, com estrutura externa de plástico ou metal, para apoiar a faixa de borracha sobre o para-brisa, e as do tipo “aerowisher”, que integram a estrutura à própria borracha que varre o vidro. Mais modernas, as aerowisher têm sido adaptadas a modelos que adotam palhetas convencionais, algo que não é o mais recomendável. Substitua as palhetas de seu carro sempre pelo modelo indicado pelo fabricante. Qualquer outro pode até parecer melhor inicialmente, mas a tendência é que ele não limpe o para-brisa da melhor maneira. Não é à toa que os fabricantes de carros gastam meses testando os componentes que equipam seu automóvel.

Manutenção

A primeira coisa a fazer para cuidar das palhetas é inspecioná-las regularmente. Pelo menos uma vez por mês, mas o ideal é conferi-las semanalmente, especialmente em períodos de estiagem. Sem chuvas, as palhetas ficam muito tempo na mesma posição e podem acumular sujeira e poeira. Se forem acionadas por acidente, ou sem o esguicho de água, elas certamente causarão pequenos riscos ao para-brisa. Com o tempo, eles passarão a incomodar bastante na hora de dirigir. Na verificação, confira principalmente se elas estão limpas e se as borrachas estão em bom estado. Borrachas ressecadas, além de deixarem rastros de água, podem riscar o vidro.

Esse cuidado na inspeção é especialmente importante se você costuma parar o carro na rua ou, como se diz normalmente, “no tempo”. Não é raro caírem folhas, pequenos galhos, sujeira carregada pelo vento ou mesmo que o para-brisa vire alvo de pombas e outros animais sem controle intestinal e sem consideração pelo patrimônio alheio. Neste caso, e sempre que possível, é recomendável levantas as hastes da palheta e limpar tanto o vidro em que a sujeira se acumulou quanto a faixa de borracha que fica em contato com o para-brisa. Acionar os limpadores com essa sujeira sob as palhetas é certeza de prejuízo tanto às palhetas quanto à peça de vidro.

Além de manter as palhetas limpas, é recomendável sempre manter o reservatório de água do esguicho do para-brisa bem abastecido. Não basta que ele esteja cheio de água: também é recomendável preenchê-lo com um sabão especial, próprio para a borracha das palhetas, que se pode comprar em casas de autopeças. Não use sabão comum, que desgasta as palhetas, nem permita que lavem seu para-brisa nos sinais de trânsito. Exatamente por não saber qual é o produto usado como detergente (e que tende a não ser próprio para a tarefa).

Se você der sorte de não ter ressecamento nas palhetas por muito tempo, mesmo assim é aconselhável substituí-las a cada ano. Se elas apresentarem rachaduras ou outros tipos de desgaste, a troca tem de ter intervalos mais curtos. Lembre-se sempre disso: quando falamos nas palhetas, a preocupação maior é com o para-brisa, que até pode ser polido, mas pode ter de ser trocado por conta dos riscos, o que custa caro. Ainda mais dispendioso é ter a visão prejudicada por problemas no vidro dianteiro e sofrer ou causar algum acidente. Prevenir é sempre o melhor caminho.

Fonte: KBB