Monthly Archives

fevereiro 2021

ENTENDA A IMPORTÂNCIA DO RODÍZIO DE PNEUS

By | Dicas

Você costuma realizar o rodízio dos pneus do carro? Saiba que a maioria das montadoras recomenda fazer este procedimento. A primeira razão para isso é garantir que haja um desgaste por igual dos pneus, incluindo o estepe, o que contribui para a segurança do motorista e passageiros.

Segundo a Goodyear Brasil, este procedimento deve ser feito a cada 5 mil quilômetros. Já algumas marcas como Hyundai, Kia, Toyota afirmam que o rodízio pode ser feito a cada 10.000 quilômetros, no máximo.

Por que as montadoras orientam o revezamento dos pneus? Entenda!

O principal motivo é a segurança. O ideal é incluir os cinco pneus no rodízio, para que ocorra o desgaste uniforme de todos. Este revezamento fará com que o conjunto tenha uma vida útil maior, equilibrando o desempenho do automóvel em termos de dirigibilidade e frenagem.

Comprar dois pneus novos para substituir os que gastaram mais pode ser perigoso. Isso porque pode ocorrer um desequilíbrio entre as rodas. Já no rodízio, todos os pneus ficam com desgaste muito parecido. Os pneus da frente possuem um desgaste maior do que os traseiros, por serem mais exigidos pelo sistema de direção e de tração, localizados na dianteira dos veículos.

 

Como realizar o rodízio de pneus?

Muitos motoristas não realizam o rodízio por falta de conhecimento a respeito da sua importância e de como é realizado. Por isso, explicamos um pouco sobre este procedimento:

Como mencionado, a grande parte das montadoras recomenda o revezamento de pneus dos automóveis a cada 10.000 quilômetros, mas este prazo pode variar de acordo com a condução do motorista ou o tipo de pista onde costuma transitar. Por isso, as manutenções preventivas são importantes, a fim de inspecionar se há necessidade de adiantar o procedimento.

O rodízio deverá ser realizado de acordo com o modelo modelo (radial ou diagonal), tipo de pneu (assimétrico, simétrico ou direcional) e de tração do carro (dianteira, traseira ou tração nas quatro rodas).

O rodízio de pneus consiste na troca de posição entre eles. Em seguida, deve ser feito o alinhamento e o balanceamento para evitar que as rodas fiquem mal alinhadas e sem regulagem adequada, o que pode fazer com que os pneus voltem a apresentar desgaste irregular. Também é importante verificar e ajustar a pressão de inflação, verificar as condições das rodas e das válvulas de ar.

Se optar por comprar dois pneus novos, instale sempre no eixo traseiro, que é responsável pela estabilidade do automóvel, evitando que o carro perca aderência em uma freada brusca ou dentro de uma curva.

 

Manutenção do pneus

A Goodyear recomenda que os condutores tenham alguns cuidados a fim de aumentar a vida útil e cuidar melhor dos pneus. Veja as dicas:

Verificar a pressão: deve ser feito este procedimento a cada 4.500 quilômetros rodados para manter a condução do veículo suave e uniforme e com um consumo de combustível mais eficiente.

Forma de calibrar e alinhar: os pneus devem ser calibrados em estado frio de acordo com as recomendações do fabricante do veículo escrita no manual do proprietário. O mesmo vale para o alinhamento, deve ser conforme especificado, evitando que você sinta a roda “puxar”.

Fique de olho nos pneus: verifique visualmente seus pneus quanto a irregularidades em desgaste da banda de rodagem, pois podem indicar problemas de alinhamento ou calibração.

Cuidados ao dirigir: os hábitos de condução que causam o maior desgaste dos pneus são curvas, arranque agressivo e frenagem brusca. Evite também girar excessivamente os pneus quando o veículo estiver na lama ou areia. Isso pode causar o aquecimento excessivo dos pneus e danos irreparáveis.

Não sobrecarregue o carro: o excesso de peso coloca estresse sobre os pneus e causa dificuldades em dirigir, aumentando o consumo de combustível.

O VALOR DO COMBUSTÍVEL ESTÁ ALTO? CONFIRA 13 DICAS PARA ECONOMIZAR!

By | Dicas

Não deve ter muita gente por aí que esteja satisfeita com o preço do combustível nos últimos meses no país, não é mesmo? Apesar de o valor médio do litro da gasolina, do etanol e do diesel ter recuado em junho(2020), segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço continua pesando muito no bolso do brasileiro no final do mês.

O jeito para economizar e ainda continuar circulando com o carro para trabalhar, viajar, passear ou simplesmente fazer as atividades do dia a dia é tentar colocar em prática pequenas mudanças que podem fazer a diferença nos gastos com o combustível.

Para isso, a primeira coisa é colocar tudo na ponta do lápis para se ter uma ideia do que é possível economizar com mudanças bem simples. A prática de anotar a quantidade de combustível abastecida e a quilometragem percorrida é muito importante, uma vez que, é preciso acompanhar o aumento de consumo até para saber se o carro precisa de manutenção.

Então, confira as nossas dicas para colocar em prática!

Ao dirigir o veículo

Ao dirigir o automóvel, alguns procedimentos ajudam a economizar ainda mais combustível:

# 1 – Aceleração: evite acelerar ou frear de forma brusca quando não houver necessidade. Manter uma velocidade média é o ideal, sempre observando o trânsito à frente para que a parada não precise ser muito rápida.

# 2 – Ar-condicionado: algumas pessoas que acreditam que o ar-condicionado pode gastar ainda mais combustível. No entanto, principalmente em estradas, andar com as janelas fechadas ajuda a reduzir a resistência do ar, o que acaba gerando uma economia de combustível. Agora, se você estiver dirigindo a menos de 60 km/h, compensa mais baixar os vidros, já que a resistência do ar nessa velocidade não vale o gasto com o ar-condicionado.

# 3 – Troca de marcha: sempre respeite o conta-giros. Trocar as marchas na rotação indicada é a melhor opção para reduzir o consumo de combustível.

# 4 – Nada de pisar fundo: quanto mais rápido você dirigir, pior será o consumo do veículo. Isso pode variar de acordo com o modelo do veículo e a marca, mas a velocidade ideal para dirigir na estrada é entre 80 e 100 km/h. Faça o teste!

# 5 – Carro ligado ou desligado? Quando for parar por alguns minutos em algum local, vale a pena desligar o motor. A partida do motor equivale ao consumo do carro parado com o motor ligado por 10 segundos. Por isso, é vantajoso desligar o motor em algumas situações.

# 6 – Ponto morto, nunca mais! Deixar o carro no ponto morto em descidas não é recomendado e nem econômico nos carros atuais. Além de colocar em risco a sua segurança, se o carro estiver desengatado e sem auxílio do freio-motor, o sistema de freio será mais exigido e poderá falhar.

Na hora de abastecer

# 7 – Na hora de completar tudinho: não é recomendado encher o tanque de combustível até “a boca”, ou seja, assim que o gatilho da bomba desarmar, não permita que o frentista continue a encher. Isso porque parte deste combustível acaba se perdendo pelo bocal ou pela válvula de alívio.

# 8 – Reserva só de vez em quando: não circule na reserva, a não ser que seja muito necessário. Isso porque com o tanque na reserva, há um acúmulo de resíduos do fundo do tanque que podem ser sugados para dentro do motor, entupindo os bicos injetores.

# 9 – Quem tem carro flex: precisa abastecer também o tanquinho de partida a frio com gasolina. Isso porque “esquentar” o motor num carro com injeção eletrônica pode gastar combustível à toa e desgastar as peças.

# 10 – Abasteça em postos confiáveis: um dos principais motivos do aumento da queima do combustível é quando este é adulterado ou de baixa qualidade. Fique atento aos preços muito abaixo da média.

Cuidados com a manutenção do carro

# 11 – Pneus bons: Manter os pneus sempre bem calibrados também ajuda a reduzir o consumo de combustível. Isso porque, quando eles estão abaixo do nível indicado pelo fabricante do veículo, o consumo aumenta. Além disso, este cuidado aumenta a vida útil dos pneus e garante mais segurança para você.

# 12 – Cuidado na hora da viagem: sobrecarregar o carro na hora pode aumentar o consumo. Por isso, não carregue mais peso do que o seu carro pode aguentar. Estima-se que a cada 50 kg de peso excedente no veículo, o consumo de combustível aumenta em 1%. Para saber o quanto o seu automóvel foi fabricado para carregar de peso, consulte o manual do proprietário.

# 13 – Filtro de ar: Dirigir com um filtro de ar sujo ou obstruído pode reduzir o desempenho do seu veículo. Por isso, vale a pena investir na troca, de acordo com a necessidade do seu automóvel.

ENTENDA A IMPORTÂNCIA DE FAZER REVISÃO DO CARRO

By | Dicas

 

Janeiro é mês de férias e fevereiro já tem Carnaval. Quem tá programando a viagem com a família ou amigos, não pode deixar de fazer a revisão do carro antes de pegar a estrada. Mas porque é tão importante levar o carro para a revisão?

Simplesmente para a sua segurança e de quem vai estar no carro com você. Isso porque um carro que não passa por revisão regulares tem muito mais chance de apresentar algum tipo de falha e causar acidentes. Além disso, mesmo se nada grave ocorrer, a chance de você ficar na estrada e ter que pedir um reboque é grande. Quem está sempre em dia com as revisões tem maior garantia contra problemas mecânicos que podem influenciar no controle do carro.

Veja a seguir o que é preciso fazer para manter a revisão do automóvel em dia!

Revisão periódica
A revisão periódica dos veículos é uma das garantias de segurança uma vez que seu objetivo é o diagnóstico prévio de algum problema no veículo. A recomendação das montadoras é que a revisão seja realizada a cada dez mil quilômetros ou a cada seis meses de uso, o que vier primeiro. Uma dica importante é consultar o manual do proprietário – ele traz informações importantes sobre como conservar melhor o seu veículo e a indicação de intervalo para as revisões.

No caso de carros novos, as concessionárias exigem as “revisões obrigatórias” para a manutenção das garantias do motor, entre outras. Já para os carros seminovos, é importante saber quais cuidados foram oferecidos ao veículo anteriormente e sempre levar o automóvel a um mecânico de confiança. A necessidade de revisar o veículo a cada seis meses também vale para veículos que estão muito tempo parados na garagem.

A manutenção periódica inclui desde a verificação de itens simples como óleo, estepe, limpador de para-brisa, até os itens mais complexos. No entanto, cada um deles têm um intervalo ideal para ser verificado. Confira a seguir:

Freios: pode influenciar na direção e até aumentar a distância de frenagem. Por isso, recomenda-se a revisão a cada 10 mil quilômetros dos discos de freio, pastilhas e tambores. Já o fluido do freio deve ser trocado anualmente. Se o seu carro possui ABS é preciso checar se o sistema eletrônico, componentes e sensores estão em funcionamento.

Pneus: os pneus “carecas” são um perigo. Existe até legislação para evitar que os carros “rodem” com pneus neste estado. Por isso, as ranhuras existentes nos pneus novos são essenciais para garantir segurança. Verifique sempre a altura dessas ranhuras. Atente-se à presença de objetos (pregos, pedras, etc) que podem reduzir a pressão do pneu e mantenha-o sempre calibrado. Para utilizar a calibração correta, utilize o manual do fabricante.

Alinhamento e balanceamento: servem para evitar o desgaste excessivo dos pneus. O ideal é realizar a cada 10 mil quilômetros, juntamente com o rodízio dos pneus. Para quem transita em locais com muitos buracos, como estradas de terras, pode ser legal realizar o balanceamento em intervalos menores, devido aos grandes impactos sofridos pelo carro nessas estradas.

Óleo: óleo lubrificante e o filtro de óleo devem ser substituídos de acordo com a especificação do fabricante, o que em média é a cada 10 mil quilômetros ou a cada seis meses. Para verificar o nível de óleo do carro, basta puxar a vareta e ver onde o nível do óleo está. Existem duas marcas na vareta e o nível de óleo ideal é entre essas duas marcas. Esteja sempre alerta em relação aos vazamentos embaixo do carro e à cor do óleo para saber se ele está queimando – estes são sinais de que algo não está certo e você precisará procurar um mecânico.

Direção: é preciso manter o alinhamento da direção em dia. Geralmente, este procedimento é realizado juntamente com o balanceamento e o rodízio dos pneus.

Correias do motor: a mais “famosa” delas é a correia dentada, que deve ser vistoriada a cada seis meses. Isso porque, caso arrebente, o carro pode parar de andar.

Radiador: é recomendada a limpeza a cada 30 mil quilômetros, assim como a troca do aditivo do radiador.

Lâmpadas: queimou, trocou! Conduzir com a lâmpada queimada dá multa e pontos na carteira. No entanto, a cada 15 dias devem ser verificadas as lanternas e piscas.

Evitar gastos inesperados
Um veículo que não recebe a manutenção periódica pode ter o seu tempo de vida e seu valor diminuído consideravelmente. Além disso, diversos problemas mais sérios podem ser identificados antes que comprometam outras áreas do motor, da parte elétrica ou mecânica.

A revisão em dia também ajuda na economia do combustível, ou seja, a prática de manter o carro sempre bem conservado previne gastos mais elevados.